São Paulo

Na sua maior derrota no campo em que se considera imbatível, o de negociações interpessoais, o presidente Donald Trump teve de ceder àquilo que se convencionou chamar de “Estado profundo”.

A expressão, que soa bem melhor em inglês (“Deep State”), representa o cipoal burocrático que toca governos como um relógio, fazendo correções de rumo e evitando que o voluntarismo ou maluquices de governantes tenham efeito prático.

Talvez nem tão profundo assim, já que o próprio Trump colocou a responsabilidade por sua saída abrupta de Hanói sobre o secretário de Estado, Mike Pompeo. Mas quem estava com eles e certamente tem peso na decisão é outra figura, o poderoso John Bolton, assessor de Segurança Nacional.

Bolton é um negociador linha-dura das antigas. Blefa quando necessário —as “opções na mesa” para derrubar um ditador que não é amigo do chefe, Nicolás Maduro, que o digam. Mas conhece a história.

E ela diz que nem EUA nem Coreia do Norte são exatamente parceiros confiáveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui