A Polícia Civil investiga a existência de pelo menos cinco servidores fantasmas no gabinete do deputado Valdemar Júnior (MDB). Também há indicativos de que existem dezenas de servidores que recebem sem trabalhar dentro da Assembleia Legislativa. Segundo o delegado Cassiano Oyama, responsável por essa fase da operação Cartase, existe uma organização criminosa atuando e os servidores fantasmas são obrigados a devolver a maior parte dos salários que recebem.

Essa fase da operação foi iniciada na manhã desta quarta-feira (19) com a prisão do chefe de gabinete e dois assessores do deputado Valdemar Júnior. O parlamentar não atendeu do G1 as ligações para comentar a operação.

Segundo o delegado, as investigações começaram após uma denúncia anônima feita com riqueza de detalhes. Os assessores presos estariam coagindo e instruindo testemunhas sobre o que deveriam contar à policia. “Diante disso começaram a instruir testemunhas e até, em um nível mais avançado, fazer ameaças a essas testemunhas. Isso deu ensejo a prisão preventiva.”

O delegado contou que o esquema funcionava da seguinte maneira: os servidores fantasmas recebiam, em média, R$ 2,5 mil por mês e eram obrigados a devolver a maior parte do salário. Os assessores parlamentares agiam como coletores destes recursos.

A investigação conta com gravações telefônicas e comprovantes de transferências bancárias. “Nós temos comprovados cinco fantasmas nesse gabinete, mas existe indicativo de dezenas de fantasmas desse mesmo esquema de devolução do salário na Assembleia inteira. Não se dirige a apenas um gabinete.”

Os servidores fantasmas deveriam devolver até o dinheiro que recebiam pelo 13º salário. Ainda segundo o delegado, já existem indícios de que o esquema também funcionava em outros dois gabinetes de deputados. Porém, ainda não há ligação de parlamentares com os crimes.

“A investigação aponta que há uma organização criminosa. Ela tem níveis hierárquicos e uma escala organizada de tarefas de cada membro. O fantasma deve assinar pontos falsos, receber o salário, sacar a grande maioria e devolver para os coletores, que estão dentro dos gabinetes. A Polícia Civil chegou até os coletores, por enquanto. O objetivo é chegar até o destinatário final”, disse o delegado.


Compartilhar:

Deixe seus Comentario